quarta-feira, 23 de julho de 2014

BABOSEIRAS TENDENCIOSAS...

Chega a ser hilário o nível dos jornalecos que circulam em Itumbiara, Araporã e região. São sim jornalecos com o tom e estilo de jornalecos, provocações bobas , histórias fraquinhas e muito mal redigidas. A veiculação de matérias depreciativas sobre essa ou aquela determinada cidade; ou a esse ou aquele cidadão. Para mim não passa de uma classe de PROSTITUTAS DE LUXO...pois ao se pagar a quantia à que se vendem; você tem o que você quiser veiculado, sem responsabilidade nenhuma. Escrevem o que querem, incentivam conflitos e gostam de ver momentos de muita tensão. O que é que se passará com esta gente que precisam de ler qualquer coisa de tal forma que aceitam uma coleção de baboseiras em formato tablóide? Fico me perguntando; onde está a ética desse jornalismo de nossa região, bastava ter um minimo de imparcialidade conosco!!!
Para que os editores desses jornais não me venham aqui na minha postagem com justificativas e tergiversações, citarei o psicanalista francês Jacques Lacan para mostrar onde consiste a ironia das manchetes – maquiada de grande “preocupação” com o caso.
Quem quiser a referência da passagem citada abaixo, favor ler os seminários de Lacan. Um dia o perseverante encontra...
“Toda palavra tem sempre um mais-além, sustenta muitas funções, envolve muitos sentidos. Atrás do que diz um discurso há o que ele quer dizer e, atrás do que quer dizer, há ainda um outro querer dizer, e nada será nunca esgotado.”
O “outro querer dizer” das manchetes não é outro senão: “compre-me!“.
Aos meus amigos hão de perdoar-me a nervura deste post. Mas eu estou revoltado com tudo isto, e não saberia fazê-lo com frieza e risos de rostidade oblíqua. Mas façamos uma ponderação. Muita gente gosta mesmo é deste tipo de jornalismo (diplomado) baixo e antiético – essa é a deontologia ensinada nos cursos de jornalismo?
É por essas e outras que este não é um país sério, fadado à lama podre das vielas desordenadas da cidade. Merecemos mesmo é o caos, e a nojeira do nosso Senado é apenas reflexo de nossa sociedade estúpida e hipócrita.
O que ocorre ao meu ver é a mediocrização cultural que hoje domina a mídia. A militância da cultura brasileira de verdade, estão perdendo espaço devido à choradeira de centenas e milhares de ídolos bregas, celebridades popozudas, jornalecos policialescos e comediantes grotescos que usam o rótulo de "vítimas de preconceitos" para conquistar novos espaços.
E o que ocorre na nossa região é que vejo esses jornalecos nas mãos de políticos, ou de pessoas muito próximas que promovem o entretenimento vazio, anjos avessos a qualquer manifestação ideológica. Uma engrenagem de formadores de opinião sem opinião que glamouriza o lixo cultural e nos despe de lógica, pensamento e identidade.